Dilma: 'Educação é cara, mas ignorância custa mais'


‘Presidente sanciona, neste momento, a lei que destina 75% dos royalties do petróleo para investimentos na área da educação e 25% para a saúde, em cerimônia no Palácio do Planalto; texto assinado hoje é o mesmo aprovado no dia 14 de agosto pelo Congresso, sem vetos; "A educação é cara, mas não se pode economizar com ela porque a sua ausência significa a vitória da ignorância, o que custa muito mais para o País", disse Dilma Rousseff; para o ministro Aloizio Mercadante, hoje é um "dia histórico para a educação brasileira";  primeiro repasse, de R$ 770 milhões, deverá ser feito ainda em 2013


A presidenta Dilma Rousseff sanciona, neste momento, a lei que destina os royalties do petróleo para investimentos nas áreas da educação e saúde, no Palácio do Planalto. O texto a ser assinado pela presidente é o mesmo aprovado no dia 14 de agosto pelo Congresso Nacional, sem vetos, com destinação de 75% dos valores para a educação e 25% para a saúde. O primeiro repasse, de R$ 770 milhões, deverá ser feito ainda em 2013; chegando a R$ 19,96 bilhões, em 2022, e a um total de R$ 112,25 bilhões em dez anos.

"A educação é cara, mas não se pode economizar com ela porque a sua ausência significa a vitória da ignorância, o que custa muito mais para o País", declarou a presidente, lembrando o pensamento de um americano chamado Derek, que afirmou: "se você acha a educação cara, experimente a ignorância". "Já fizemos muito", disse Dilma Rousseff, em referência à atuação de governo na área da educação, "e ainda falta muito e deveremos fazer muito mais", acrescentou.

A presidente também declarou que, "apesar desse grande avanço", é "fundamental melhorar a qualidade do serviço que prestamos nessas duas áreas em especial". Segundo ela, "os horizontes se abrem por conta dessa nova lei". Com esses novos recursos, será possível interiorizar as universidades e dar um salto de qualidade da educação no Brasil", garantiu Dilma, que lembrou que a "riqueza finita"do petróleo precisa ser transformado em algo perene, algo que "só a educação consegue".

"Nossos senadores e deputados aperfeiçoaram e votaram a proposta que sempre defendi e que meu governo enviou ao Congresso, para que as riquezas do petróleo, que são finitas e um dia acabam, sejam investidas em educação.

 Para nós, para mim e meu governo, a educação é o principal pilar para transformar o Brasil em uma grande nação, para assegurar a emancipação do nosso povo da pobreza, para elevar o nosso país à condição de uma nação de homens e mulheres que crescem pelo conhecimento que produzem", afirmou Dilma, no último dia 19, no programa Café com a Presidenta.

Com relação ao Fundo Social do pré-sal, o texto prevê que 50% dos recursos sejam destinados para a educação, até que sejam atingidas as metas do Plano Nacional de Educação (PNE), e para a saúde. Conforme regulamentação posterior, o fluxo de dinheiro do Fundo para as duas áreas será diminuído.
PNE

Atualmente, o investimento total do Brasil na educação pública corresponde a 6,1% do Produto Interno Bruto (PIB). O projeto de lei que cria o novo PNE, já aprovado pela Câmara dos Deputados e em tramitação no Senado Federal, inclui uma meta para que o percentual de investimento na área seja ampliado para 10% do PIB.”

Com informações do Blog do Planalto
Postar no Google Plus

About Antonio F. Nogueira Jr.

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: