Em Nova York, Dilma dá tom de lição a Obama na ONU


Presidente chega com 24 horas de antecedência à 68ª Assembleia Geral das Nações Unidas; quer preparar com cuidado seu pronunciamento de abertura; mais que manter tradição, Dilma Rousseff vai denunciar espionagem dos EUA do presidente Barack Obama sobre o Brasil e outros países; pode deixá-lo humilhado ou manter porta entreaberta para um pedido sério de desculpas e a construção de "uma nova governança contra a invasão de privacidade"; Dilma está com o moral alto; nos últimos dois anos, ela usou o palanque mais importante do mundo para defender reforço do poder multilateral e dizer que só estímulos ao crescimento poderiam tirar o mundo da crise: em ambos os tiros, acertou na mosca


A presidente Dilma Rousseff chegou a Nova York na manhã desta segunda-feira 23 com uma confortável antecedência de 24 horas sobre seu pronunciamento de abertura da 68º Assembleia Geral da ONU, na terça 24. Promete ser histórico. Não do ponto de vista ornamental, como simples sequência da tradição inaugurada em 1947, pela qual é o Brasil que abre os trabalhos, mas das verdades e consequências que esse pronunciamento pode exibir e provocar diante do chamado concerto das Nações. Dilma e o Brasil ficaram indignados com o episódio de espionagem americana cujo início, meio e fim ainda não se conhecem de todo. O Brasil quer agora a construção "de uma nova governança contra a invasão de privacidade". 

A denúncia do mau comportamento dos EUA de Barack Obama no principal palanque o mundo será, necessariamente, feita por Dilma. Isso já foi adiantado pelo Palácio do Planalto. Como tem acontecido, a presidente não irá tergiversar, como gostam de fazer muitos políticos, sobre o assunto principal. O que não se sabe, porém, é até que ponto ela pretende levar o seu discurso.

Dilma pode, se quiser, aplicar um verdadeiro sabão em Obama, o comandante em chefe da maior máquina de guerra e espionagem do mundo. Sob ordens dele, apesar de ter dito a Dilma que não sabia de nada mas que iria saber, os Estados Unidos violaram classicamente a privacidade da presidente do Brasil, do governo, da maior estatal do País e de milhões de cidadãos. Também se descobriu que outros países amigos, como o México, também havia sofrido o mesmo tipo de bisbilhotagem à própria revelia. Um feito ao contrário sem precedentes. Uma c... internacional. Mais uma.

A presidente está no direito de exigir, com toda a veemência, que os americanos limpem a sujeira que fizeram. Diplomaticamente, isso já vai sendo feito, por meio dos movimentos anunciados, discretos e silenciosos, como convém, do chanceler Luís Alberto Figueiredo. Ele se reuniu longamente com autoridades americanas antes de a presidente cancelar a viagem de Estado que faria aos Estados Unidos, no próximo mês. Figueiredo será o principal conselheiro da presidente no tom do discurso que será pronunciado diante da ONU.

No ano passado, Dilma ocupou o mesmo palanque para dar continuidade ao que falara na assembleia anterior. O ponto central de Dilma, nas duas ocasiões, foi mostrar o exemplo de combate à crise que vinha sendo praticado ao Brasil – de estímulo à economia em lugar de patrocínio à retração – e a importância do avanço e consolidação da multilateralidade para os destinos do mundo. Em ambos os tiros acertou na mosca.

A eleição, em maio, do diplomata brasileiro Roberto Azevêdo para a chefia da Organização Mundial do Comércio (OMC) já representou uma compreensão, na prática, do posicionamento disseminado por Dilma. No campo econômico mais amplo, praticamente todos os bancos centrais do mundo, inclusive o americano, trocaram, desde o ano passado, as muitas regras de contenção da atividade econômica para diferentes pacotes de estímulo ao crescimento – a exemplo do que fizera, antes, o BC do Brasil.

Dilma, portanto, mesmo tendo feito discursos na ONU que, a princípio, despertam oposição entre os países ricos e ceticismo da mídia internacional, está com o moral alto. Ela tem apontado rumos certos para o mundo.

A presidente sabe que a espionagem americana é um reflexo sinistro do poderia exacerbado que os EUA querem exercer sobre o mundo. Com seus interesses econômicos à frente, a diplomacia americana tornou-se um centro de administração de guerras em curso e, infelizmente, provocação de novos conflitos. Tudo isso deverá ser dito por Dilma à ONU, mas o estilo escolhido vai fazer toda a diferença. A presidente não costuma usar meias palavras. Barack Obama poderá iniciar a assembleia geral da ONU por baixo.

Abaixo, notícia da Agência Brasil a respeito:

Danilo Macedo
Repórter da Agência Brasil


Brasília - A presidenta Dilma Rousseff chegou hoje (23) às 6h55 (5h55 no horário local) a Nova York, onde fará o discurso de abertura da 68ª Assembleia Geral das Nações Unidas na manhã desta terça-feira (24). Dilma não tem compromissos oficiais durante o dia. Uma das principais mensagens que ela pretende passar em sua fala na ONU é propor o que ela chamou de "nova governança contra a invasão de privacidade". O tema é consequência das denúncias da espionagem feita pela Agência Nacional de Segurança dos Estados Unidos (nas, na sigla em inglês) e que levaram a presidenta brasileira a adiar a visita de Estado que faria a Washington em outubro.

As denúncias foram publicadas nos últimos meses a partir de dados divulgados pelo norte-americano Edward Snowden, ex-funcionário de uma empresa que prestava serviço para o governo norte-americano. Há denúncias de que cidadãos comuns de vários países e, inclusive, a presidenta Dilma Rousseff, seus assessores e a Petrobras tenham sido espionados. A presidenta Dilma adiantou que esse será também o principal tema a ser tratado em seu discurso durante a Cúpula do G20, realizada início do mês em São Petersburgo, na Rússia.

Antes do discurso, previsto para as 9h, ela se encontra com o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon. Dilma será a primeira chefe de Estado a falar, sendo seguida pelo presidente norte-americano Barack Obama, com quem conversou na semana passada sobre as denúncias de espionagem e cobrou explicações.

Os dois presidentes também falarão sobre o conflito na Síria. Tanto Dilma quanto Obama condenarão o uso de armas de destruição em massa. A presidenta brasileira, no entanto, deve explicitar mais uma vez a posição do governo do país de não uso de força militar contra o governo sírio. Obama, por outro lado, busca apoio para uma intervenção caso o governo de Bashar Al Assad não entregue as armas químicas imediatamente.

Amanhã (24) Dilma deve retornar à ONU às 15h para a primeira reunião do Fórum de Alto Nível de Desenvolvimento Sustentável, que reúne ministros de Meio Ambiente anualmente e chefes de Estado a cada quatro. A meta é implementar as metas estabelecidas no documento final da Conferência da ONU sobre Desenvolvimento Sustentável, Rio+20, intitulado O Futuro que Queremos. Os países se comprometeram, durante a conferência do Rio de janeiro, em 2012, a definir objetivos para o desenvolvimento e a eliminação da pobreza no mundo.

Terça-feira, Dilma também se encontra com o presidente mundial da companhia Telefônica, Cesar Alierta. Ainda não há previsão de encontro com outros chefes de Estado. Na quarta-feira (25), Dilma fará o encerramento de um seminário sobre oportunidades em infraestrutura no Brasil e embarca de volta para Brasília.”

Edição: Talita Cavalcante
Postar no Google Plus

About Antonio F. Nogueira Jr.

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: