Jornais internacionais destacam decisão de Dilma: 'esnobou Obama'


A Crítica / Terrra

“A decisão da presidente Dilma Rousseff de cancelar a visita que faria aos Estados Unidos devido às denúncias de espionagem do governo americano ao Brasil foi destacada por alguns dos principais jornais internacionais nesta quarta-feira. O britânico The Guardian afirmou que Dilma "esnobou Barack Obama na terça-feira, ao adiar uma visita oficial a Washington". "A discussão entre as maiores economias da América do Norte e do Sul foi o último desastre diplomático dos documentos secretos divulgados pelo denunciante americano Edward Snowden", escreveu o jornal, citando o cancelamento de uma reunião de Obama com o presidente russo, Vladimir Putin, após a decisão da Rússia de dar asilo político a Snowden.

O jornal The Guardian afirmou que o cancelamento da visita de Dilma é, "pelo menos, um atraso para as relações bilaterais, que pareciam estar melhorando desde que Rousseff chegou ao poder, em 2011". "Ela foi a única líder estrangeira neste ano a ser convidada para um jantar de Estado na Casa Branca, e executivos planejavam usar a visita para assinar acordos de exploração de petróleo e de vendas de jatos de combate", disse a publicação.

"Audácia" favorece Dilma , diz El País

O jornal espanhol El País afirmou que a decisão da presidente brasileira, que ele chamou de "audácia", favorece-a dentro e fora do Brasil. "A audácia da presidente brasileira (...) tem dois lados claros: uma de política internacional e outra de política interna. E, em ambas, Rousseff parece ter marcado um gol para o brasil", escreveu a publicação.

O El País analisou que a presidente brasileira escolheu desafiar Obama, "a quem fez diretamente responsável pelo escândalo", pedindo explicações por escrito na mesma semana. "Todos sabiam que Obama não pediria perdão, muito menos por escrito e no prazo exigido pelo Brasil, mas com essa série de exigências, Rousseff passa a ser a primeira presidente brasileira que soube impor sua autoridade ao líder da primeira potência mundial", disse.

O jornal francês Le Monde também repercutiu a decisão da presidente brasileira, e destacou que "as revelações sobre a espionagem estadunidense ao Brasil (...) fragilizaram um pouco mais as relações diplomáticas entre os dois países". A publicação citou frases do comunicado de Dilma e afirmou que a notícia não foi bem recebida na Casa Branca.

Jornais americanos: decisão prejudica economia brasileira

Os jornais americanos Washington Post e The New York Times também repercutiram o cancelamento da visita de Dilma à capital americana, mas apresentaram uma perspectiva diferente - avaliaram que a decisão prejudica o Brasil economicamente. O Washington Post disse que o cancelamento "será, a curto prazo, prejudicial ao País, que tem uma economia em dificuldades que busca investimentos americanos e maior abertura a produtos brasileiros".

Para a publicação, a decisão de Dilma é apenas política. "Rousseff - que teve um índice de aprovação de 36% no mês passado, em meio à onda de protestos contra os serviços públicos precários - sofreu pressão dos esquerdistas de seu Partido dos Trabalhadores para ficar em casa, Cancelar a viagem é visto como politicamente conveniente aqui (no Brasil), parcialmente porque ela enfrenta uma difícil campanha de reeleição no próximo ano", escreveu o Washington Post.

O New York Times avaliou que o posicionamento de Dilma é uma "forte censura à administração de Obama sobre as revelações" de espionagem ao Brasil. "O movimento da senhora Rousseff mostrou como a divulgação de práticas de vigilância dos Estados Unidos por Edward J. Snowden agravaram os laços de Washington com uma série de países, incluindo aliados europeus como a Alemanha", disse o jornal.

A publicação afirmou que o cancelamento de Dilma foi "uma decisão extremamente rara nos anais da diplomacia". Para o New York Times, a reação da presidente brasileira "ameaça reverter anos de esforços de Washington para reconhecer o perfil crescente do Brasil no mundo em desenvolvimento e neutralizar a crescente influência da China, que superou os Estados Unidos como principal parceiro comercial do Brasil".
Postar no Google Plus

About Antonio F. Nogueira Jr.

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: