Dilma: a tortura é um câncer


Discurso da Presidenta da República, Dilma Rousseff, na posse dos membros do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura

 Palácio do Planalto-DF, 25 de julho de 2014

Queria cumprimentar os integrantes do Comitê Nacional de Prevenção e Combate à Tortura que hoje tomam posse e desejar uma boa luta para eles.

Cumprimentar os ministros de estado: Ideli Salvatti, Gilberto Carvalho, José Eduardo Cardoso, a nossa querida Eva Chiavon e a Eleonora Menicucci.

Cumprimentar o José Jesus Filho, representante da Associação de Apoio e Acompanhamento da Pastoral Carcerária Nacional.

Cumprimentar todos aqui representantes da sociedade civil e também de órgãos do governo.


Cumprimentar os jornalistas, os fotógrafos e os cinegrafistas.

De fato é um momento especial, demonstra o nosso engajamento no combate e na prevenção à tortura. Eu acredito que nosso país tem uma larga, uma larga sistemática de tortura. E não começa na ditadura, começa na escravidão.

Nós somos um país que há pouco mais de cento e poucos anos libertamos os escravos. Mas o processo pelo qual se submetia seres humanos à privação de liberdade enquanto seres humanos e o submetia à tortura, tem uma forte presença no nosso país e está muito ligado à questão da escravidão. Por isso, que para nós é um compromisso também com toda a superação do que significou a escravidão nesse país, o combate e eliminação da tortura. Mas é também um processo recente que foi os anos, os chamados anos negros, em que a tortura se transformou numa prática de combate político.

E a experiência, a minha especificamente, mas eu falo a experiência aí no sentido geral, demonstra que
a tortura é como um câncer: ela começa numa célula, mas ela compromete toda a sociedade. Ela compromete quem tortura; o sistema que tortura; compromete, obviamente, o torturado porque afeta, talvez, a condição mais humana de todos nós, que é sentir dor, e destrói os laços civilizatórios da sociedade. ( ênfase minha – PHA)

Por isso, para nós, é necessariamente um momento de autoconsciência combater e eliminar a tortura no nosso país.

A boa notícia é que nós podemos. Eu acho que nunca o país esteve tão preparado, tanto do ponto de vista democrático, quanto do ponto de vista da nossa consciência para combater a tortura e, sobretudo, para preveni-la. E preveni-la é justamente eliminá-la. Quando a gente previne, a gente vai conseguir eliminar. Tem um processo que é de aumento da nossa consciência, mas é, sobretudo, sermos capazes de, levantando-nos como seres humanos, repudiar o torturador. Repudiar e transformar o crime de tortura, de fato, naquilo que consta da nossa Legislação, da nossa Constituição como um crime hediondo, porque é um crime hediondo. Talvez, dos crimes, é muito difícil você hierarquizar crimes, mas a tortura e a morte por tortura é das coisas mais, mais hediondas que a gente pode conceber que se pratique contra um ser humano. E, sobretudo, é importantíssimo a nossa consciência, de que uma sociedade que tortura é uma sociedade que se corrói por dentro, que se devora por dentro.

Assim, hoje é um dia especial. Esse, esse… tanto o Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Tortura quanto, hoje, a nomeação de vocês, faz parte, eu acho, desse processo de mudança do país. Acredito que vocês têm uma longa luta pela frente, acredito que vocês têm muitos desafios a enfrentar, mas eu tenho certeza que como cidadãos e cidadãs brasileiras, vocês serão capazes de transformar essa luta numa prática civilizatória do nosso país. Por isso, estou muito, até emocionada de estar aqui. Parabéns para vocês."
Postar no Google Plus

About Antonio F. Nogueira Jr.

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: