Ex-reitor britânico diz que Dilma confrontou corporações de privilegiados


Por Fernando Brito, Tijolaço -

Uma carta, publicada pelo jornal inglês The Guardian, mostra mais do que páginas e páginas dos jornais brasileiros.

Seu autor é Kevin Dunion, ex-reitor da Universidade de  St. Andrews, fundada no século 15, na Escócia, e primeiro Comissário escocês para a Liberdade de Informação.

Não parece ser, portanto, um “lulopetista”, expressão idiota criada por idiotas e  repetida por idiotas, cuja capacidade cognitiva é suficiente apenas para acertar o sorvete na testa.

Conta, com uma clareza singela, a reação das castas – e o Judiciário é a maior delas – à moralização, com seu moralismo hipócrita e cheio de interesses.
Leia só:
Os desafios que confrontam Dilma Rousseff na limpeza vida política brasileira não pode ser subestimados ( Do palácio presidencial para o apartamento de sua mãe , 24 de dezembro).  Em 2012, fui contratado pela Unesco para aconselhar o governo sobre a implementação do decreto de acesso à informação que a presidente tinha assinado. Entre as primeiras exigências de divulgação feitas pela imprensa diziam respeito aos detalhes de salários e regalias recebidas por ministros, juízes e funcionários públicos.

Isso levou a uma ação legal por parte das associações  (que haviam negociado acordos lucrativos para seus membros) para tentar impedir a divulgação e uma resistência feroz dentro do governo de coalizão. Quando o assunto foi levado a Dilma Rousseff ela instruiu-nos de que a divulgação completa deveria ser feita, começando com seu próprio pacote salarial.

Posteriormente, os detalhes publicados revelaram que um terço dos ministros e quase 4.000 funcionários federais violaram o teto de pagamento estabelecido pela Constituição e estavam ganhando mais do que a  presidente. Recompensas inchadas incluíam até um salário adicional de seis meses por ano, contabilizadas como subsídios de ajuda de custo ou  licença educacional. Mesmo alguns funcionários do parlamento e dos elevadores do Congresso estavam ganhando até 10 vezes mais do que o salário médio de um professor ou policial. Aqueles envergonhados não eram suscetíveis de perdoá-la por violar o código de silêncio sobre esses arranjos, muito menos apoiá-la em abordar outras áreas de política corporativista.
Professor Kevin Dunion
Postar no Google Plus

About Antonio F. Nogueira Jr.

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários: